O MESMO MODUS OPERANDI EM VIANA: CNE ACUSADA DE TER DESVIADO ACIMA DE 20 MILHÕES KZ DOS AGENTES CÍVICOS ELEITORAIS

 O MESMO MODUS OPERANDI EM VIANA: CNE ACUSADA DE TER DESVIADO ACIMA DE 20 MILHÕES KZ DOS AGENTES CÍVICOS ELEITORAIS

Outro Agente Cívico Eleitoral, que também pediu anonimato, diz ter lido a nossa notícia de ontem com o título “CNE ACUSADA DE DESVIAR QUASE 31 MILHÕES KZ DOS AGENTES CÍVICOS ELEITORAIS, correspondendo ao município de Luanda, e acrescenta que no município de Viana houve exactamente o mesmo procedimento: a Comissão Provincial Eleitoral em Luanda, presidida pelo senhor Afonso Félix Guerra Ngongo, celebrou “contrato fantasma” com cerca de 200 Agentes Cívicos Eleitorais, que trabalharam no município de Viana para a educação cívica e mobilização dos eleitores ao voto, sem ter permitido que ficassem com as cópias, que indicava o compromisso de a Comissão Nacional Eleitoral (CNE) pagar 360 mil kwanzas cada Agente Cívico Eleitoral, correspondente aos meses de Junho, Julho e Agosto, mas apenas pagou 240 mil mais 18 mil kwanzas, sem se saber o destino que deu aos mais de 20 milhões de kwanzas da diferença no município de Viana. 

O Portal “A DENÚNCIA” avançou ontem, quinta-feira, 6 em

CNE ACUSADA DE DESVIAR QUASE 31 MILHÕES KZ DOS AGENTES CÍVICOS ELEITORAIS

 

o mesmo procedimento com os Agentes Cívicos Eleitorais que trabalharam no município de Luanda, que denunciaram que responsáveis da Comissão Provincial Eleitoral em Luanda, dirigida pelo Presidente Afonso Félix Guerra Ngongo, ficaram com cerca de 31 milhões de kwanzas da diferença do que foi acordado e não foi cumprido.

Somando o que as fontes descrevem, o Presidente da Comissão Provincial Eleitoral em Luanda Afonso Félix Guerra Ngongo pode ter “encaixado”, nos municípios de Luanda e Viana, acima de 51 milhões de kwanzas, de forma ilícita.

“Prefiro manter a minha identificação anónima mas afirmo que fui também um dos Agentes Cívicos Eleitorias recrutados pela CNE e trabalhei no município de Viana.
Pude constatar na sua página que houve uma denúncia por parte dos Agentes Cívicos Eleitorais, que trabalharam no município de Luanda, contra a CNE (Comissão Nacional Eleitoral), respectivamente à burla ou a falta de pagamento do que nos foi prometido. E nessa senda gostaria de reforçar que não foi só no município de Luanda. O município de Viana também passou por isso e o procedimento foi o mesmo.
Gostaria que fizesse também menção do município de Viana para que as coisas sejam resolvidas”, revela a fonte.

Tal como fizemos ontem, contactámos o Presidente da Comissão Provincial Eleitoral em Luanda Afonso Félix Guerra Ngongo e o porta-voz da CNE Lucas Quilundo para nos dar o contraditório ante essa nova acusação. Ontem a acusação foi de um desvio de quase 31 milhões de kwanzas. Hoje é de acima de 20 milhões. Já soma acima de 51 milhões de kwanzas e as fontes dizem que o procedimento pode ter sido o mesmo em todos os municípios da província de Luanda.

Até ao fecho desta matéria, não obtivemos nenhuma resposta do Presidente da Comissão Provincial Eleitoral em Luanda Afonso Félix Guerra Ngongo nem do porta-voz da Comissão Nacional Eleitoral Lucas Quilundo.

O Portal “A DENÚNCIA” promete trazer mais dados sobre este assunto.

Carlos Alberto

http://adenuncia.ao

1 Comentário

  • Em primeiro lugar e’ uma grande vergonha! Ate’ a’ conclusao do aferimento da verdade sobre os factos ora relatados; o nosso consolo e’ aguardar; mas de que e’ um caso escandaloso ,isso e’!!!

Deixe uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Não é possível copiar o conteúdo desta página
Iniciar conversa
Estamos online
Gostava de fazer uma denúncia de irregularidades e/ou crimes.